OS GNÓSTICOS ATRAVÉS DA HISTÓRIA

Fernando Salazar Bañol

Na realidade nós gnósticos devemos nos sentir amplamente satisfeito e cheios de muita alegria pelo fato de termos encontrado esta sabedoria tão transcendental, este conhecimento síntese que é a Gnose.

As bases do Movimento Gnóstico, as bases do ensinamento de nosso amado Mestre Samael Aum Weor, estão perfeitamente delineadas e fundamentadas solidamente através da história.

Tristão e Isolda (ao lado) formam um casal que anelam atingir o amor objetivo, o amor consciente, mas que tem de lutar contra todas as circunstância a fim de ter ou conseguir este amor consciente.

Nestes últimos tempos foram efetuadas ou foram realizadas magnífica descoberta que dão mais força e mais poder ao ensinamento e ao Movimento em si. Entre os principais achados encontram-se, nada mais nada menos, que os Papiros Gnósticos de Qunram. Nestes maravilhosos documentos, onde aparece todo o extraordinário e transcendental evangelho, fala-se desse grande Mestre que os gnósticos tiveram antes do surgimento de Jesus Cristo na época cristã. Para os gnósticos existiu naquelas épocas um grande personagem, o qual se chamava o Mestre da Justiça. Esse extraordinário personagem entregou quantidade de ensinamentos maravilhosos e transcendentais para o desenvolvimento espiritual. Entre esses gnósticos destacam-se os principais essênios.

Outro livro descoberto nos tempos atuais é o FILÓSOFO FUMENA. Trata-se de um documento invulgar e foi escrito numa linguagem mais clara e mais acessível às comunidades. Investigadores de todos os nossos dias chamaram-no de O LIVRO SECRETO DOS GNÓSTICO EGÍPCIOS.

Nesse livro secreto dos gnósticos egípcios, aparece as palavras de Cristo pedindo ao seu Pai interno permissão para descer deste o absoluto até este mundo físico, passando assim através dos aeon (medidas iniciáticas) a fim de chegar neste mundo e libertar a alma que se encontra encerrada ou encarcerada num mundo materializado. E falando Jesus Cristo com seu Pai Interno, pede-lhe que permita levar o conhecimento revelador através do tempo ou palavra GNOSE.

A PISTIS SOPHIA é um livro que foi escrito inicialmente em língua copta, ou seja, num idioma sagrado. Algum tempo depois, foi traduzido para o grego e do grego fizeram-se traduções para o inglês, francês, alemão, etc. Nos dias atuis o Mestre Samael fez a sua tradução para o espanhol com o seu correspondente develamento. A PISTIS SOPHIA é um sagrado documento dos gnóstico. Nela encontra-se da maneira mais pura e completamente fiel os ensinamentos que Jesus Cristo entregou a seus discípulos no Monte das Oliveiras. Por está razão, como ninguém tem os métodos, como ninguém tem a capacidade de realizar a correspondente develação, nesta ocasião , o avatara da Era de Aquário Samael Aum Weor a realizou. Porém apesar de revelada, a PISTIS SOPHIA ainda é um livro de difícil compreensão. Por tal motivo, o Mestre Samael Aum Weor aconselha que, para se compreender a PISTIS SOPHIA, se compreenda antes o ensinamento gnóstico que ele entregou a humanidade em mais de cem obras de sua autoria destinadas a atual Era de Aquário.

Continuando o nosso estudo da GNOSE através da história, observa-se que em épocas anteriores a Jesus Cristo e também em anos posteriores a sua presença, a sua passagem pela Terra, apareceu uma grande quantidade de seitas gnósticas ou gnostizantes, como as denomina o Mestre Samael Aum Weor em seu livro A DOUTRINA SECRETA DE ANAHUAC. Os gnósticos que surgiram naquela época, com diferentes tendências e em diferentes correntes, porém no fundo conservando a mesma sabedoria, foram os essênios e os nazarenos. Nazarenos significa os representantes do Culto da Serpente, uma vez que naza vem de serpente (naja).

Abrindo um parêntese a isto, vemos que na maioria das seitas gnósticas sempre encontramos a sabedoria e também um íntima relação com a Serpente, como, com relação a seita que estamos abordando, acontece cm os nazarenos, ou seja, os representantes da Serpente.

Também surgiram por aqueles tempos os barbelo-gnósticos dos Mistérios da Babelos.

Apareceram ainda outros grupos, mas que já se constituiram em correntes degeneradas ou involutivas da sabedoria gnóstica. Foram eles os cerdonistas e os marcionistas. Os cerdonistas seguiam a um personagem chamado Cerdon e os marcionistas seguiam a um personagem chamado Marcion. Esses são contrários, em vez de seguirem a sabedoria gnóstica, desviaram-se para outras metas e para outros objetivos... foram a raiz da presença de seitas involutivas. A igreja cristã dos primeiros tempos lançou terríveis ataques, empenhou-se em terrível luta, contra o gnoticismo o qual foi considerado como uma corrente pagã, como uma corrente afastada da divindade. Isto se deve ao fato de aqueles gnósticos, os marcionistas e os cerdonistas, terem entregado um ensinamento totalmente degenerado.

Continuou a história se desenvolvendo através dos tempos cada vez e mais. No concílio de Nicéia, houve uma separação clara entre a igreja católica e os gnósticos; cada um seguiu seu destino diferente. Os gnósticos continuaram com suas manifestações através dos tempos, pois sempre marcaram com sua presença as diversas épocas. Isto já ocorria mesmo antes do surgimento do cristianismo.

Se realizar-mos uma profunda investigação sobre a presença da GNOSE em épocas anteriores ao cristianismo, encontramos nada mais nada menos que as correntes dos egípcios, dos maias, dos nagamaias do Tibete, dos hindus, etc. Constatamos sua presença nos Mistérios nórticos e nos países baixos da Europa. Na América do sul, vamos encontra-la nos povos solares, nos incas, no Peru e na Bolívia...Conseguiu deixar também grande influência na Amazônia, cujo território pertence grande parte ao Brasil.

Os gnóstico destes antigos tempos receberam a sabedoria da Atlântida. Por isto, vemos que os gnósticos incas receberam a sabedoria de Viracocha, (não confundir com Huiracocha). Viracocha era um personagem branco de grande capacidade e sabedoria. Entregou conhecimentos transcendentais aos incas.

Se nos transladarmos às terras da Colômbia veremos com os muiscas que eles também receberam a sabedoria de um personagem com vestimentas brancas, barbas brancas, cabelos brancos e que montava um camelo. Se nos transladarmos ao México e a terra dos maias, veremos que os maias encontraram a Cuculkan, um personagem também de vestimentas brancas, barbas brancas e cabelos também brancos. No México aparece Quetzalcoatl, um tipo com as mesmas características.

Se fizermos um exame minucioso através da historia, veremos que a sabedoria que esses povos antigos tinham, antes de Cristo, eram completamente gnóstica. Veremos que neles também aparece o Culto da Serpente, porquanto a palavra Quetzalcoatl significa A SERPENTE EMPLUMADA, ou seja a Serpente que tem plumas. Se examinar-mos a sabedoria transcendental desses povos, descobriremos que também possuíam a sabedoria da supra-sexualidade, a sabedoria do sábio manejo do sexo, de uma maneira sagrada e enaltecedora.

Recentemente, fez-se os achados dos códices maias desconhecidos. Nesses códices maias, aparecem as posições tântricas que os sacerdotes e as vestais ou sacerdotisas maias utilizavam. Em documentos ou códices mexicanos encontramos também grande quantidade de posições tântricas, posições da sexologia transcendental, onde deuses das dimensões superiores aparecem em união mística com homens e mulheres da Terra. Aí está perfeitamente simbolizada a Sabedoria Gnóstica.

Se nos transladarmos para a terra dos egípcios, veremos que eles também tinham a sabedoria da aniquilação do Ego. Por isso, vamos encontrar entre os gnósticos egípcios um documento importante chamado PAPIRO NU ou confissão negativa. Esta confissão negativa consta 42 pontos ou 42 confissões, onde se realiza um profundo trabalho psicológico. O mesmo profundo trabalho psicológico que o Mestre Samael nos ensina através de suas diferentes obras, em quais obras temos de realizar perfeitas investigações.

Prosseguindo nesta viagem através da história, vamos encontrar a Gnose também no oriente. Na Índia, está nada mais nada menos que o sagrado livro dos KAMA SUTRA. Este sagrado livro dos KAMA SUTRA foi totalmente tergiversado e adulterado, convertendo-se em um documento pornográfico, sem nenhuma informação objetiva, em nada ajudando no trabalho esotérico e no desenvolvimento espiritual. No entanto o verdadeiro KAMA SUTRA possui ensinamentos maravilhosos da sexologia transcendental. Igualmente, se fizermos um estudo profundo do livro da MIL E UMA NOITE, encontraremos ali a sabedoria psicológica e a sabedoria da supra-sexualidade.

Dirigindo agora para a China, vamos encontrar nada menos que aquele grande iniciador do Kung-Fu, o grande Mestre Huang-Ti. O Mestre Huang-Ti entregou uma sabedoria maravilhosa, porém o Kung-Fu em sua forma original não era somente uma arte marcial de combate. As posições do Kung-Fu são posições para se utilizar nas práticas da ciência Jinas. A posição do tigre, do dragão, da Serpente... São posições para se sair em estado Jinas (penetrar com o corpo físico em outras dimensões do universo). Contudo através do tempo e do espaço, essa sabedoria original foi tergiversada e atualmente está convertida em apenas uma forma de combate ou defesa pessoal. No entanto, no fundo, é o que se chama ciências Jinas. Isto no México é chamado de nagualismo.

Prosseguindo o nosso passeio através da história, deixaremos aqueles gnósticos dos tempos antes de Cristo para nos dirigirmos às épocas dos primeiros séculos depois de Cristo, quando surgiu o esoterismo gnóstico de uma maneira bastante velada. Os grande papas, principalmente diretores da religião católica lançaram-se em forte luta pela destruição das corrente gnósticas. Devido a essa perseguições ocorridas nos primeiros séculos destas épocas de Jesus Cristo, surgiu, nasceu, foi criada, a corrente da maçonaria. Foi justamente a maçonaria que iniciou e manteve os combates de maior poder contra o catolicismo a fim de poderem difundir a sua sabedoria. (A palavra maçon, quer dizer trabalhador da grande obra; obreiro). Mas, também a própria maçonaria teve as suas correspondentes divisões. Nela vamos encontrar o rito escocês, o rito de York e nos tempos atuais aparece também o rito nacional mexicano.

Dessa forma, essas correntes sempre estiveram em constante luta contra o catolicismo para poderem difundir a sua sabedoria. Na maçonaria, vamos encontrar o simbolismo gnóstico das duas colunas: Jachin e Boaz. Encontramos o famoso mentel. Se fizermos uma visita à terra dos maias, na própria Guatemala, veremos que os indígenas guatemaltecos usam o mentel, esse mesmo tipo de avental utilizado pelos maçons. Na maçonaria encontramos todos os símbolos gnósticos. Encontramos o símbolo da pedra, a pedra cúbica de Jesod, e de toda uma série de simbolismo extraordinários que estão inseridos nas suas correspondentes iniciações. Seus graus de maestria marcam e mostram claramente que aí está presente a sabedoria dos gnósticos.

Apareceu mais tarde nos séculos passados, a corrente dos alquimistas. Nessa corrente alquimista destacou-se Nicolas Flamel, pois foi ele quem develou o livro do Apocalipse: um livro de chumbo e onde se fala sobre a alquimia.

Quando Nicolas Flamel adquiriu este livro, ele e sua esposa Perrenelle quiseram construir aquele laboratório alquímico mensionado em suas paginas. Durante muito tempo tentaram a transmutação do chumbo em ouro e em vinte anos de tentativas jamais conseguiram obter ouro, jamais conseguiram fabricá-lo. Só depois de vinte anos é que Nicolas Flamel e sua esposa Perrenelle refletiram e se deram conta que tinha gasto seu tempo inutilmente. O laboratório alquimista para a elaboração do ouro não deveria ser um laboratório físico. Essa elaboração do ouro deveria se processar no laboratório deles mesmos, o qual era os corpos de Nicolas e de Perrenelle.

Outro grande alquimista que aparece durante esses séculos que estamos analisando neste nosso estudo da Gnose através da história é o famoso conde de São Germano (Saint Germain). O conde de São Germano é mencionado em muitos livros antigos. O grande escritor Alexandre Dumas cita não só a ele como também ao poderoso Cagliostro. Ambos foram grandes alquimistas dessas épocas passadas.

O conde de São Germano tinha seu centro de atividades em Paris e com ele verificaram-se fatos extraordinários, acontecimentos invulgares, O conde de São Germano tornou-se bastante conhecido por sua capacidade de converter o carvão em diamante.

Sobre outro grande alquimista, Cagliostro, o grande escritor Alexandre Dumas o retrata em seu livro O COLAR DA RAÍNHA. O conde Cagliostro tinha sua esposa, a qual se chamava Serafina. Ela sempre o acompanhou através de seu desenvolvimento místico. Abrindo um parêntese neste histórico, vemos claramente como a mulher está sempre na companhia do homem. Para nós gnósticos, são importantes a presença e a força que a mulher carrega. Nós varões, homens gnósticos, nada podemos sem a mulher. Do mesmo modo, a mulher nada pode sem o varão. O Mestre Samael Aun Weor, na develação da PISTIS SOPHIA, comenta o diálogo que Maria Madalena teve com Jesus. E disse o Mestre Jesus a Maria Madalena: Tu, Maria, tens a mesma capacidade que o homem tem para conseguir a Auto-Realização Íntima do Ser.

Prosseguindo nestas análises históricas, vamos ver que grandes personagens como William Shakespeare e também Goethe estudaram a Gnose. As suas obras, os seus escritos, encontram-se perfeitamente documentados na sabedoria gnóstica. Por isso contaremos um fato muito importante da obra de Goethe. Narra ele o seguinte: Encontrava-se Fausto na companhia de um grande número de amigos e disse-lhes: Vocês querem conhecer Helena de Tróia? Seus amigos e discípulos responderam que sim, que queria conhecer Helena de Tróia. Fausto pediu licença para retirar-se e em poucos minutos viram que pela porta por onde saíra entrava uma mulher de extraordinária beleza: olhos azuis, cabelos cor de ouro, pele sublime, um rosto totalmente divino, etc. Os discípulos de Fausto ficaram assombrados, em êxtase, ao verem a grade beleza daquela mulher que se fizera presente. Em seguida, chegou Fausto e disse-lhes: Eis aí Helena de Tróia. Ela não é uma mulher física. Helena de Tróia é minha alma divina. Fausto através de seu poder materializara sua alma divina. Essa é a Helena de Tróia interna, a Walquiria do nosso universo psicológico interior. Por isso, aquelas pessoas que buscam a alma gêmea no mundo exterior jamais a encontrarão porque a alma humana e a alma divina são as almas gêmeas que têm de se unir. Uma coisa é alma gêmea, que é um trabalho interior, e outra coisa é o complemento ou conjugue, a mulher e o homem que estiveram unidos em existências passadas e que novamente tornam a se unir para iniciar um trabalho ou um matrimonio. Logo, a alma gêmea é um trabalho interno e não um trabalho externo.

Seguindo o estudo da Gnose através da história, encontramos Richard Wagner, o qual foi um grande gnóstico. Muitos dizem que ele foi mitólogo e ocultista, porém porque se diz que foi mitólogo e ocultista? Se analizarmos sua obra musical sobre as Walquírias, descobriremos que elas são as filhas dos deuses que moram no paraíso chamado Walhalha. No Walhalha moram apenas os deuses e as deusas. As Walquírias têm por finalidade assistir ou prestar ajuda e assistência àqueles grandes guerreiros que morrem nos campos de batalha. Por isso, os soldados, anelavam morrer em combate para que as Walquírias os levassem ao Walhalha, ao mundo dos deuses. Porém, este simbolismo está relacionado com o triunfo que o Iniciado tem na morte, na luta com seus correspondentes agregados psicológicos.

Há outras obras de Richard Wagner. Em O CAVALEIRO DE LOHENGRIN, cujo significado é CAVALEIRO DO CISNE, este cavaleiro nada mais é do que o filho de Percifal que vive no paraíso. Ele chega à terra para unir-se à princesa de um reino dos antigos nórdicos. Isso nada mais é do que a representação do matrimônio místico, do matrimônio perfeito, o que nós gnósticos, homens e mulheres, anelamos realizar e materializar um dia.

Analizando outra obra de Richard Wagner, O OURO DO RENO, veremos muito conhecimento gnóstico. O ouro do Reno relaciona-se aos átomos solares que temos em nossas glândulas sexuais (gônadas). Essa energia preciosa deve ser transmutada. São esses átomos solares que nos darão a correspondente iluminação interna e profunda. Eis como Richard Wagner apresenta-nos o ouro do Reno através de suas composições musicais.

Outra de suas histórias é TRISTÃO E ISOLDA. Tristão e Isolda formam um casal que anelam atingir o amor objetivo, o amor consciente, mas que tem de lutar contra todas as circunstância a fim de ter ou conseguir este amor consciente. O Mestre Samael Aun Weor faz uma clara distinção entre o amor sensual o amor emocional e o amor consciente. Estes são três tipos de amor. O amor sensual relaciona-se unicamente com a atração física. É quando o homem ou a mulher sente apenas a atração da beleza física, da beleza do rosto, da estética do corpo, força ou musculatura, etc. Satisfeita a paixão animal, aquele amor desaparece como que por encanto, como por milagre. Aquela atração, aquele magnetismo, que o casal sentia e que os unia desaparece completamente. Este é o amor sensual. Ele não tem continuidade. Tem um princípio e um fim rápido; dura pouco tempo.

Já o amor emocional é o que caracteriza a todos os matrimônios comuns e normais. Não vivem no âmbito do trabalho psicológico nem tampouco vivem a disciplina da transmutação de energia criadora. Este amor emocional tem as seguintes características psicológicas principais:

intolerância
Incompreensão
Complexo de inferioridade
Complexo de superioridade
Orgulho
Ciúmes

Eis as principais características do amor emocional. Em um momento se diz: te amo, te adoro, te quero... Noutro momento noutro dia: te odeio, já não te quero, já não te amo... E buscam afastar-se, repelem-se. Trata-se de um amor que se desenvolve na lei dos contrários, vai de um extremo a outro.

O amor consciente, que nós gnósticos buscamos e que chegaremos a encarnar, caracteriza-se pela compreensão, pela tolerância, pela simplicidade e também pela humildade. Nele não existe ciúmes nem paixão, apenas o verdadeiro amor. Este é o amor que todos os gnósticos precisam buscar. É lógico que nele não há luxúria nem fornicação. É preciso acabar-se com a ação desse agregado psicológico terrível, que é a luxúria ou fornicação, para que surja a força maravilhosa do amor. Portanto, nessa obra, TRISTÃO E ISOLDA, aparece a magnífica representação do amor sublime, do amor consciente.

Agora a última obra de Richard Wagner que estudaremos é PERSIFAL. Nela aparece Kundri, uma mulher que se encontra sob a hipnose de Klingsor, um mago negro que almejou converter-se em cavaleiro do Santo Graal.

Klingsor quer conferter-se em cavaleiro do Santo Graal e pertencer a ordem. Os cavaleiros do Santo Graal exigem de Klingsor uma castidade absoluta, mas ele não é capaz de obtê-la. Por não ter conseguido o controle de suas energias criadoras, Klingsor realiza a castração de seus orgãos sexuais. Depois, aproxima-se dos cavaleiros do Santo Graal e diz-lhes que já é casto, porém os cavaleiros do Santo Graal respondem: Tu é casto! Isso não é castidade. Klingsor, cheio de ódio, volta-se contra os cavaleiros do Santo Graal e constrói seu castelo frente ao castelo dos cavaleiros. Nesse castelo, ele coloca grande quantidade de mulheres sensuais para tentar os cavaleiros e faze-los perder sua castidade. Muitos deles chegaram a perder sua castidade até que aparece Persifal, um jovem que andava pelos bosques de Montsalvat. Este jovem chamou a atenção dos cavaleiros do Santo Graal que o receberam em seu castelo com sua vestimentas negras, Klingsor queria destruir toda a ordem sagrada e o único que se atreveu a enfrentá-lo foi Persifal, aquele jovem aguerrido e valente.

Quando ele chegou ao castelo de Klingsor, apareceram lindas e formosas mulheres que trataram de seduzí-lo, mas Parsifal com muita vontade venceu a tentação. À medida que vencia àquelas formosas mulheres que procuravam fazer com que perdesse sua castidade, elas iam se convertendo em flores. Parsifal ia caminhando quando encontrou Klingsor e este pensou em Kundri a mulher mais formosa daqueles tempos e a única capaz de fazer com que perdesse a castidade. Quando Persifal viu a grande beleza, a formosura e a aparência deliciosa de Kundri, por um momento esteve a ponto de perder sua vontade que é quando, fala simbolicamente Richard Wagner: Klingsor toma a sua lança e arremessa contra Persifal para destruí-lo. Porém, Parsifal toma a lança pela mão e a devolve contra Klingsor. É quando todo o castelo de Klingsor desaba, ficando completamente destruído. Kundri se liberta da hipnose a que fora submetida pelo mago negro. Por isso, diz o Mestre Samael Aun Weor em sua obra O PARSIFAL DEVELADO, a mulher não tem culpa de que o homem caia sob sua fascinação porque ela encontra-se sob a hipnose diabólica, a hipnose de Lúcifer.

Mas precisamos compreender que, de acordo com os ensinamentos da PISTIS SOPHIA, nós varões, com base na vontade e na castidade, devemos romper este círculo luciférico para que a mulher também chegue a Auto-Realização. Este é o simbolismo encoberto pela história.

Nestes últimos tempos surgiram correntes gnósticas nos primeiros anos do século XX. Por exemplo, na França, há cerca de dois milhões de gnósticos. Porém, são correntes gnostizantes que ainda não entraram nas fileiras das instituições gnósticas nem estão sob a disciplina exigente que o Mestre Samael Aun Weor traçou ou assinalou. Nestes tempos em pleno século XXI, vimos existir falsas linhas da Gnose. É bom que as conheçamos para termos plena consciência do bem e do mal.

Quando realizamos uma visita aos Estados Unidos, para investigações das atividades gnósticas, vimos acontecimentos estranhos. Entre ele nos deparamos com a Revista Gnóstica. Esta revista não pertence a linha do Mestre Samael e um fato que demonstra claramente que não está sob o comando de Samael é o ensinamento que entrega. Dentre esses ensinamentos está um que se denomina MASTURBATION TANTRA ou seja a masturbação tântrica. Este é um ensinamento completamente oposto ao que entrega o Mestre Samael. Sob a palavra Gnose, eles ensinam um conhecimento contrário à sabedoria gnóstica. Há uma outra linha que aparece nos Estados Unidos e que se chama Igreja Gnóstica Católica. Ela não ensina a transmutação. Ao contrário, ensina a perda de energia criadora além de ensinar também o vampirismo. Trata-se de uma linha que não pertence as nossas instituições, não pertence ao corpo de ensinamentos do Mestre Samael.

Na Suíça, há também uma linha gnóstica, porém bastante degenerada, bastante involutiva, como a dos antigos marcionistas e cerdonistas. Trata-se nada menos do que uma igreja gnóstica na qual para de chegar ao nono grau de iniciação precisa-se ser homossexual. Portanto não pertence de forma alguma à linha das instituições gnósticas nem tampouco aos ensinamentos do Mestre Samael. A linha da Gnose caracteriza-se pela transmutação sexual e pela aniquilação profunda do Ego. E faz uma difusão ampla destes ensinamentos gnósticos. Isto é o que acontece nos tempos atuais.

Saudações ao V.M. Samael Aum Weor,
kalki avatara da Era de Aquário!

HOME  |  APRESENTAÇÃO   |   RESUMO   |   INICIAÇÃO   |   FALE CONOSCO   |  
Copyright © Jorge L. Rodrigues